segunda-feira, 4 de abril de 2016

Onde Não Habito

Escondo
a fome 
que há em mim
iludindo-me
do apanágio
da pobreza.

E esta mesma fome
- ouro da miséria - 
se dilata
feito fétida
ferida no féretro
de cascalho ocre

- esconderijo-abutre,
subterrâno sentido
do não-ser.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

COZINHA DIETÉTICA

Como espinhos
     & 
respiro sonhos
bebo bondades
- brilhantes exclusivos –
 cozinho
 para depois
 congelar
o que não é
nem espinho
 nem sonho...



segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

  Pão de carnaval: todos os dias

O pão nosso de cada dia
sem dó, nó de ló
cabe na base do cérebro:
um pouco de sonho
milho verde e descabelo
para encobrir o mérito
de se calar
ao saber que nem todos
têm pão nosso
todos os dias
em cada dia
de jornal, trabalho e café
com pouco grão,
mas muita palha e vento de lagartixa...

sábado, 6 de fevereiro de 2016

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Por agora, só hoje

horário apertado. madrugada dia cedo. as inquietações da semana:
contas, trauma de dentista, saudade dos amores. distâncias. 
e o sangue, insuficiente em carboidrato.
hora do almoço, novas (muitas) mensagens no telefone (maior companheiro das horas vazias). dia cheio. luz de sonho. pesadelo
hora do exagero: "mais batata, zero arroz, mais feijão, já saí mesmo da dieta. só mais aquela carninha com gordura e o pedaço de frango mais gorduroso da travessa, que é para dar aquele gosto de dia por inteiro." - sobremesa?  hesito. penso no êxito dos exercícios. julgo pequeno. sinto a ansiedade maior que a lembrança do êxito dos exercícios. a angústia de tudo é maior. só por hoje. conter o desejo, derrapar na soleira, sair do esquecimento. lembrar de esquecer o falso testemunho das amarguras. lembrar-me só das alegrias, dos feitos e dos abraços. por agora, só hoje.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Doce (da) Tarde:

paçoca
polenta
(IM)
própria
placenta
de desejos ocultos
corpulenta
 ferramenta
anti-lágrima
anti-terrorismos
 e estrangeirismos
de todos os tipos

falta páprica
sem pipoca
- sem o quê, palmatória de espelho!

pimenta!

Batalha Doce
         - sem batata-doce -
doce
diabo
brincando de furar meus dentes
quebra o meu futuro
em dentadas desconjuntadas
doce
diabo
não gosta de quiabo
gosta de dadinho malvado
para danificar crianças
dobrando adolescências

doce
diabo

hoje te desdenho!


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

CINEMA
    (com e sem Rita Lee, "chupando drops de anis")
Um "drops" dopando-me
da anti-fome
e eu...perdendo-me 
da não-fome
Poema da Não-Dieta Derrocada
- ou, Poema da Retomada –

Hoje eu quero desfazer todos os nós do meu corpo:
os mal-entendidos
as conversas feias
as notícias que não caíram bem
(porque sempre tudo existe a partir do que crio para mim)
Os amigos distantes
O silêncio das cantigas
Os dias cinzas
Os kilos extras...

A imagem que pertenceu (até hoje)
ao eu que de mim, não-eu.